Carlos Reis foi homenageado em sessão solene na Sociedade Nacional de Belas-Artes em fevereiro de 1933, por ocasião da sua jubilação. A propósito dessa homenagem o seu amigo Fidelino de Figueiredo escreveu o seguinte, referindo-se à obra «Garrafão vazio»:
«Uma tarde, à hora jovial do passeio sob as arcadas do claustro, certo frade bem-humorado, talvez um bernardo de Alcobaça, pôs a concurso o tema seguinte: “Qual a passagem mais triste da Bíblia?”

 
Apontamento sobre as tabernas de Torres Novas
Em 1907 haveria, no concelho de Torres Novas, e com base nos licenciamentos existentes, cerca de 166 tabernas, sendo o maior número na cidade. Como diz João Carlos Lopes, «constata-se a natureza urbana das tabernas». Eram 67 nesse mesmo ano.
A quantidade de tabernas e a sua importância social justificavam plenamente que a Câmara Municipal de Torres Novas levasse a sério o “Código de posturas” relativas a regras impostas aos taberneiros, como «Não fazer uso de torneiras metálicas nas vasilhas de vinagre», fechar os estabelecimentos às 9 da noite, impedir o jogo, proibir a venda volante de bebidas alcoólicas, etc., havendo coimas para todas as eventuais desobediências.

 
Marcar o ritmo do verão
Em pleno verão, com as escolas de música e as bandas do concelho a caminhar para as férias, apresentamos este metrónomo, que decerto ditou o ritmo de muitas melodias.
O metrónomo é um aparelho que indica um andamento musical, através de impulsos sonoros, emitidos por um pêndulo oscilante. Usado no estudo e na interpretação musical, indica a cadência e o compasso a seguir pelo músico. Este exemplar de metrónomo mecânico, da Maëzel, é de fabrico alemão e comercialização francesa, do início do século XX.
Integra o acervo do Museu Municipal Carlos Reis com o número de inventário 3805.

Calendário

Eventos

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Outros sites

Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes Ano Europeu do Património Cultural