Com a queda da monarquia extingue-se a Sociedade Silva Porto, fundada por Carlos Reis em 1900.
A Sociedade foi um dos movimentos que Carlos Reis impulsionou junto dos seus alunos da Escola de Belas Artes de Lisboa, organizava saídas de campo por todo o país, para registo da paisagem, e realizava anualmente uma exposição coletiva dos seus membros para mostra dos trabalhos realizados nas excursões artísticas sazonais.

 

Autores torrejanos IV – Faustino Bretes (1902-1986)

 

Faustino Bretes nasceu em Torres Novas no dia 11 de outubro de 1902. Foi sindicalista, político, escritor, poeta, jornalista e investigador. Fundou a União dos Trabalhadores de Torres Novas, em 1920, o Sindicato Metalúrgico e o da Construção Civil, em 1924.

Graças à sua atividade política foi preso e perseguido. Escreveu vários textos de natureza diversa. Hoje damos a conhecer, através da coletânea de Joaquim Rodrigues Bicho, algumas das suas quadras, publicadas na obra «Sol de Outono«, em 1968.

 

“Apresentação de menino no templo” é uma das peças que integra a nossa exposição de longa duração, dedicada à arte sacra do concelho. Em 1997 esta pintura foi alvo de uma intervenção de conservação e restauro.
Tratando-se de uma peça de museu, as intervenções visam uma interferência mínima sobre os objetos. Foi aplicado um tratamento conservativo, de estudo e consolidação, sem reintegração das zonas que haviam perdido matéria pictórica.
Nas imagens, podemos ver a peça antes da intervenção e perceber o estado em que se encontrava antes, sendo particularmente visíveis as lacunas de camada pictórica e o avançado estado de degradação do suporte em madeira.
A intervenção esteve a cargo da Dr.ª Angelina Mangorrinha, à época docente e responsável pelo laboratório de Pintura e Escultura do Instituto Politécnico de Tomar.

Autores torrejanos III – Maria Lamas (1893-1983)

 

Maria da Conceição Vassalo e Silva da Cunha Lamas nasceu em Torres Novas, no dia 6 de outubro de 1893. Filha de um comerciante de tecidos, maçon e republicano, foi educada segundo princípios pouco comuns entre as meninas do seu estrato social. A família proporcionou-lhe o acesso ao ensino, à leitura, às artes. A sua carreira dividia-se entre o jornalismo e a escrita literária. Em 1929 começou a trabalhar no jornal O Século, onde foi redatora e, mais tarde, diretora do Modas e Bordados.

A partir de 1940 começou a ser bastante ativa a sua intervenção política, através do Conselho Nacional de Mulheres Portuguesas e do Movimento Democrático de Mulheres. Por causa da ligação ao Movimento de Unidade Democrática viu-se obrigada a sair do país em 1961 (havia sido presa, pela primeira vez, em 1949). Foi presa diversas vezes. A obra As mulheres do meu país resultou do seu empenho na luta pelos direitos das mulheres. Para a escrever viajou pelo país inteiro, contactando diretamente as suas protagonistas e complementando as observações escritas com fotografias que a própria fazia.

No exílio, em Paris, recebia intelectuais, a família, os amigos, exilados políticos e emigrantes que procuravam alguém que os ajudasse a arranjar trabalho. Participou em congressos pela paz, em vários países do mundo. Viajou inúmeras vezes e, depois do 25 de Abril, não deixou de marcar a sua posição na vida política nacional, tendo sido militante do Partido Comunista Português. Antes e depois da sua morte, em 1983, foi alvo de várias homenagens e «concedeu-se o seu nome a ruas, jardins e escolas».

A sua obra literária é vasta, tendo publicado diversos romances, com o seu nome ou o pseudónimo de Rosa Silvestre. Hoje, transcreve-se aqui um extrato da sua obra «O vale dos encantos»:

 

Ficamos muito felizes de anunciar que a exposição "Não foi minha intenção" ficará patente até dia 17 de setembro! Se ainda não teve oportunidade de a visitar, junte-se à curadora e aos artistas na Praça do Peixe até essa data. Estaremos lá das 14h00 às 18h00, todos os dias. Lá vos esperamos!

Calendário

Eventos

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.

Outros sites

Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes Ano Europeu do Património Cultural