Festividades da Páscoa e da Semana Santa em Torres Novas – I parte
A Semana Santa é, no calendário cristão, o período que decorre entre o Domingo de Ramos e o sábado antes da Páscoa, e que evoca a paixão e morte de Cristo. Joaquim Rodrigues Bicho, em «A Igreja em Torres Novas no século XX» explica com pormenor como eram as celebrações desta importante festa da Igreja em Torres Novas que, durante muitos anos, se realizaram na Igreja da Misericórdia (as cerimónias estavam a cargo dos irmãos da Misericórdia), onde se encontrava a imagem do Senhor Morto, fazendo-se então a procissão do Enterro. Por exemplo, para 1921, o autor descreve o conjunto das cerimónias que incluíam a bênção dos ramos, várias missas solenes (Domingo de Ramos, quinta-feira santa e Domingo de Páscoa), lava-pés, sermão do Mandato, matinas e laudes (quinta-feira santa); Paixão, Adoração da Cruz, Missa dos Pressantificados e sermão da Paixão, matinas, laudes e sermão da Soledade (sexta-feira), bênção do Lume e da água batismal e missa de Aleluia (sábado de Aleluia), procissão eucarística no templo (Domingo de Páscoa).

Carlos Reis fez várias digressões internacionais. Em 1922, numa dessas digressões, viaja para Buenos Aires com o filho, João Reis. Durante a estada, que se prolonga por dois meses, ambos participam em algumas exposições, entre elas, a exposição da “Comisión Nacional de Bellas Artes”.
Nessa permanência na Argentina pinta retratos de diversas personalidades e, na mesma altura, o governo argentino adquire a tela “Limpando Cristais” para o Museu Nacional de Belas-Artes. O Jockey Club de Buenos Aires compra a tela “Os Gaiteiros”, ambas reproduzidas nas imagens.

No passado dia 5 de Abril teve início o curso de formação "DAR VOZ, PENSAR, OUVIR E FAZER PARTE – Filosofia, Cidadania, Arte e Cultura", com Rita Pedro.

Esta formação, para docentes e profissionais dos setores cultural e educativo, é uma seleção da academia PNA que foi por nós (museu) entendida, como de grande importância para criar e fortalecer a relação com a comunidade, no desenvolvimento do questionamento e o diálogo com o mundo e os outros.

Vamos trilhar este caminho em conjunto, nos próximos tempos, e descobrir como podemos incentivar a afirmação das crianças enquanto seres pensantes.

 
Em 20 de junho de 1924, António Vieira Grego, Henrique Fernandes e Joaquim da Silva Pires, em representação de 21 operários da construção civil de Torres Novas, enviaram uma representação ao Ministro do Trabalho de então, o conterrâneo matense Júlio Ernesto de Lima Duque, para que aprovasse os estatutos do recente Sindicato dos Operários da Construção Civil de Torres Novas.
No 1º de Maio daquele ano, os trabalhadores da construção civil da vila deram os primeiros passos para a organização da sua associação. O sucesso da manifestação do 1.º de Maio de 1923 e as movimentações do recente Partido Comunista, que organizara um comício em março de 1924 no Rossio de São Sebastião, proporcionaram as condições favoráveis para novas ações do operariado torrejano.

No passado dia 4 de Abril foi dia de Horizontes 26, com os parceiros da Rede Cultura 2027, desta vez à descoberta dos patrimónios de Castanheira de Pera.

Calendário

Eventos

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Outros sites

Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes Ano Europeu do Património Cultural