O artesão Joaquim Paiva nasceu em Lapas, Torres Novas, em 1930 e faleceu em 2010. Depois da reforma, decidiu dedicar-se a trabalhos em madeira, em geral representativos das suas próprias vivências e referências (músicos, santos, trabalhadores e trabalhos rurais, ofícios). As suas peças figuram em diversas coleções nacionais e internacionais de museus, como o Museu de Antropologia de Bristish Columbia, no Canadá.

Da vila: estórias e curiosidades (2)
A última visita
Poderia parecer um plano de um filme neo-realista italiano, mas é apenas a saída das visitas do velho hospital, algures no início da década de 1970 do século passado. Nem sempre fora assim: desde a inauguração do hospital, em 1882, o que havia era uma rampa de terra de acesso à porta principal do edifício.

 
No âmbito do projeto de investigação que decorre na Villa Cardilio, coordenado pela UNIARQ, o arqueólogo Victor Filipe apresentou no dia 8 de setembro a comunicação «Os dolia de villa Cardilio (Torres Novas, Portugal): uma primeira abordagem à sua integração na economia da villa» no Congresso Internacional Dolia ex Hispania, que decorreu em Tarragona, entre os dias 7 e 9 de setembro.
O Congresso internacional Dolia ex Hispania contou com a participação de cerca de uma centena de investigadores de 43 universidades e centros de investigação de Espanha, França, Portugal, Alemanha, Itália, Roménia e Marrocos. Mais informações sobre o congresso e o seu programa completo aqui International Conference ‘Dolia ex Hispania’ features its definitive programme. Registration is now open! (icac.cat)

 

Em 1891, Carlos Reis encontrava-se em Paris como pensionista do Estado. Frequentava a École des Beaux Artes e os cursos oficiais de Bonnat, Le Blanc e Martinez onde estudava e trabalhava. Nos tempos livres, visitava museus, galerias, o Quartier Latin, e a vida boémia de Paris.

Como todos os bolseiros, enviava de Paris quadros que atestavam o seu aproveitamento. É o caso da obra “Depois da tempestade”, datada de 1891, que pertence à coleção da Academia Nacional de Belas-Artes.

 

Referência: «Carlos Reis», de Pedro Carlos Reis, edição de ACD Edições, 2006

 
 
São antigas as relações comerciais entre a antiga vila da Pederneira, onde residia a comunidade piscatória da actual Nazaré, e Torres Novas. Já na idade média o peixe vinha daquela praia para o mercado de Torres Novas, como se pode constatar nos “Costumes de Torres Novas”, documento do século XIV. Com o início das práticas balneares, em finais do século XIX, a Nazaré passou a ser o destino privilegiado dos torrejanos para o passeio anual a ver o mar, geralmente em Setembro. Passeios de um dia apenas, para a maioria das pessoas: só os mais abonados, uma ínfima elite, possuía meios para passar uns dias nas pensões que então nasciam praticamente junto à linha do mar.

Calendário

Eventos

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Outros sites

Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes Ano Europeu do Património Cultural