Portugal atravessa um período de seca desde janeiro, no último mês de julho via 55,5% do seu território em seca severa e o restante em seca extrema, Torres Novas apresenta a mesma realidade.
A disponibilidade de água sempre foi fundamental da descrição de um território, nas Memórias Paroquiais de 1758 narrava-nos o prior de Alqueidão da Serra, Antonio Antunez de Mello: “Todos os lugares desta freguesia são muito abundantes de agoa de fontes.
Só o Valle da Serra não tem agoa; servindo-se os moradores athé poucos anos lá da agoa da fonte, que nas ce no pé de hum grande penhasco da serra, mas em baixo junto aos Cazaes de Marthanes a qual fonte hé hum grande olho de agoa, principio e origem do rio Almonda…” Em pleno século XVIII a água seria abundante, com a serra de Aire sem água superficial. Nas localidades que a bordejavam descreviam-se fontes levantadas, com diferente número de bicas, olhos de água que brotavam do chão térreo e olhos de água que brotavam da rocha. Encontrava-se água boa e em abundância, em qualquer lugar que se escavasse um poço.
Silva, Vasco Jorge Rosa da (2010) - «Serra de Aire em 1758», Nova Augusta, n.º 22, Torres Novas, Câmara Municipal de Torres Novas.
Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I. P. (IPMA, I. P.) - Índice PDSI - Situação Atual https://www.ipma.pt/pt/oclima/observatorio.secas/
Imagem: “Talha Vidrada”, pintura a óleo, de Carlos Reis, integrada no acervo do Museu Municipal Carlos Reis (n.º de inventário MMTN 198), através de doação do autor, em 1936.

Calendário

Eventos

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.

Outros sites

Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes Ano Europeu do Património Cultural