Este ano publica-se o n.º 35 da revista Nova Augusta, revista de cultura do Município de Torres Novas. A sessão de lançamento será realizada na Black Box da Central do Caldeirão, no próximo dia 17 de dezembro, pelas 15h30.
Com artigos de Fernando Freire, Manuela Poitout, Luís Carvalho e Manuel Mourão, o capítulo História e Sociedade abre a edição. Seguidamente, em Fontes e Documentos, contamos com a participação de três colaboradores regulares, António Mário Lopes dos Santos, Luís Batista e Vasco Rosa da Silva.
A terceira e última parte da revista contém em grande parte artigos inscritos no campo da História da Arte, casos dos trabalhos de Margarida Elias, Nuno Prates, Manuela Poitout e de Vítor Serrão (este último sobre a Adoração dos Pastores em exposição no Museu Municipal Carlos Reis). Mais dois temas completam esta secção intitulada Arte e Património, um artigo mais ensaístico, da autoria de Elvira Marques, e uma súmula dos trabalhos arqueológicos realizados em Villa Cardílio, assinada por Víctor Filipe, Carlos Fabião, Catarina Viegas e Romão Ramos.
A apresentação terá o formato de “mesa redonda”, com a participação de alguns colaboradores convidados, procurando alargar o debate a todos aqueles que, de uma forma mais ativa, pretendam participar na sessão.

Aberto à participação de investigadores portugueses e estrangeiros, o Prémio Maria Lamas para estudos sobre a mulher, género e igualdade, de periodicidade bienal, tem um valor pecuniário de 3000 euros e pretende reconhecer estudos académicos e científicos realizados em Portugal.
Promovido pelo Município de Torres Novas, evoca a figura de Maria Lamas, perpetuando o seu testemunho de lutadora pelos direitos das mulheres portuguesas.
Podem ser submetidos a concurso trabalhos realizados no âmbito de doutoramentos e pós-doutoramentos, bem como outros decorrentes de estudos científicos, durante os anos de 2022 e 2023.
As normas de participação podem ser consultadas em: https://cm-torresnovas.pt/.../Cultura/PML2024_Normas.pdf


Museu Municipal Carlos Reis e Galeria Neupergama
De 25 de novembro de 2023 a 30 de março de 2024
Esta mostra marca os 43 anos de existência da Galeria Neupergama em Torres Novas e surge do desejo da artista de dialogar com as peças existentes no Museu Municipal Carlos Reis.
A narrativa do seu trabalho «parte do fragmento e da metamorfose deste, num elo com o barro branco – matéria primordial de eleição, a sua “tela branca” - renascendo objeto e forma, expressão e arte, no re-contar da história e das estórias dos afetos e dos pedaços desapossados que as compõem. Neste primeiro núcleo de obras, dá-se o encontro da cerâmica no sagrado, na arqueologia, na contemplação. Os relicários devotos, que asseveram a relação mística do homem com o divino.»
Nesta exposição a artista apresenta um conjunto de 70 peças num tributo a João Cutileiro, que integra pedaços de pedra oferecidas pelo escultor. Este artista é referência em Torres Novas com as suas esculturas, nomeadamente: D. Sancho I; Monumento ao Operário Torrejano e S. Sebastião.
Teresa Segurado Pavão vive e trabalha em Lisboa, onde nasceu em 1957. Fez o curso da Escola António Arroio e o curso de Cerâmica do IADE. Frequentou os departamentos de Desenho, Pintura e Joalharia do Ar.Co e o atelier de tapeçaria de Gisela Santi. Criou a tp (loja de autor) em Lisboa (2004-2008).
Expôs o seu trabalho recentemente no Museu Nacional do Azulejo (Lisboa), Convento dos Capuchos (Almada), Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves (Lisboa), Appleton Square (Lisboa), MUDE – Museu do Design e da Moda (Lisboa), Museu de Artes Decorativas da Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva (Lisboa), entre outros.
Encontra-se ainda representada em coleções privadas e institucionais, nacionais e internacionais, das quais se destacam: Fundação Carmona e Costa, Museu Nacional do Azulejo, MUDE – Museu do Design e da Moda e Museu Nacional do Traje.

Inauguração dia 25 de Novembro pelas 16hr00 no MMCR e Galeria Neupergama. 


A inauguração aconteceu no passado sábado, dia 25 de novembro, e a mostra, da autoria de Teresa Segurado Pavão, estará patente até 30 de março de 2024. Marca os 43 anos de existência da Galeria Neupergama em Torres Novas e surge do desejo da artista de dialogar com as peças existentes no Museu Municipal Carlos Reis.
Nesta exposição é apresentado um conjunto de 70 peças num tributo a João Cutileiro, que integra pedaços de pedra oferecidos pelo escultor, que é referência em Torres Novas com as suas esculturas: D. Sancho I, Monumento ao Operário Torrejano e S. Sebastião.
Teresa Segurado Pavão vive e trabalha em Lisboa, onde nasceu em 1957. Fez o curso da Escola António Arroio e o curso de Cerâmica do IADE. Os seus trabalhos encontram-se representados em coleções das quais se destacam a Fundação Carmona e Costa, o Museu Nacional do Azulejo, o MUDE – Museu do Design e da Moda e o Museu Nacional do Traje.

Veja aqui a galeria de imagens

Realizou-se, no passado dia 12 de novembro, domingo, no CHUDE – Centro Humberto Delgado, no Boquilobo, a primeira Roda de Conversa. Pessoas de diferentes gerações, de Boquilobo e Brogueira, e também vindas de Riachos, Torres Novas, Santarém, juntaram-se no pátio da casa onde nasceu Humberto Delgado para conversar sobre a aldeia, Humberto Delgado e a resistência à ditadura do Estado Novo, partilhando histórias e vivências na primeira pessoa. No final, a conversa prolongou-se com um lanche em que não faltaram as castanhas e água-pé próprias do São Martinho.

Esta iniciativa, promovida pelo Município de Torres Novas no âmbito das atividades do CHUDE, núcleo do Museu Municipal Carlos Reis, faz parte de um programa mais vasto cujo objetivo é evocar memórias pessoais sobre assuntos de interesse coletivo, contribuindo para o conhecimento dos temas da nossa história recente e, simultaneamente, estimulando o diálogo entre gerações e a consciencialização para as temáticas relacionadas com a Liberdade e a Democracia.

Veja aqui a galeria de imagens

Calendário

Eventos

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Outros sites

Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes Ano Europeu do Património Cultural

A sua opinião conta