Autores torrejanos III – Maria Lamas (1893-1983)

 

Maria da Conceição Vassalo e Silva da Cunha Lamas nasceu em Torres Novas, no dia 6 de outubro de 1893. Filha de um comerciante de tecidos, maçon e republicano, foi educada segundo princípios pouco comuns entre as meninas do seu estrato social. A família proporcionou-lhe o acesso ao ensino, à leitura, às artes. A sua carreira dividia-se entre o jornalismo e a escrita literária. Em 1929 começou a trabalhar no jornal O Século, onde foi redatora e, mais tarde, diretora do Modas e Bordados.

A partir de 1940 começou a ser bastante ativa a sua intervenção política, através do Conselho Nacional de Mulheres Portuguesas e do Movimento Democrático de Mulheres. Por causa da ligação ao Movimento de Unidade Democrática viu-se obrigada a sair do país em 1961 (havia sido presa, pela primeira vez, em 1949). Foi presa diversas vezes. A obra As mulheres do meu país resultou do seu empenho na luta pelos direitos das mulheres. Para a escrever viajou pelo país inteiro, contactando diretamente as suas protagonistas e complementando as observações escritas com fotografias que a própria fazia.

No exílio, em Paris, recebia intelectuais, a família, os amigos, exilados políticos e emigrantes que procuravam alguém que os ajudasse a arranjar trabalho. Participou em congressos pela paz, em vários países do mundo. Viajou inúmeras vezes e, depois do 25 de Abril, não deixou de marcar a sua posição na vida política nacional, tendo sido militante do Partido Comunista Português. Antes e depois da sua morte, em 1983, foi alvo de várias homenagens e «concedeu-se o seu nome a ruas, jardins e escolas».

A sua obra literária é vasta, tendo publicado diversos romances, com o seu nome ou o pseudónimo de Rosa Silvestre. Hoje, transcreve-se aqui um extrato da sua obra «O vale dos encantos»:

 

“Apresentação de menino no templo” é uma das peças que integra a nossa exposição de longa duração, dedicada à arte sacra do concelho. Em 1997 esta pintura foi alvo de uma intervenção de conservação e restauro.
Tratando-se de uma peça de museu, as intervenções visam uma interferência mínima sobre os objetos. Foi aplicado um tratamento conservativo, de estudo e consolidação, sem reintegração das zonas que haviam perdido matéria pictórica.
Nas imagens, podemos ver a peça antes da intervenção e perceber o estado em que se encontrava antes, sendo particularmente visíveis as lacunas de camada pictórica e o avançado estado de degradação do suporte em madeira.
A intervenção esteve a cargo da Dr.ª Angelina Mangorrinha, à época docente e responsável pelo laboratório de Pintura e Escultura do Instituto Politécnico de Tomar.

 

Ficamos muito felizes de anunciar que a exposição "Não foi minha intenção" ficará patente até dia 17 de setembro! Se ainda não teve oportunidade de a visitar, junte-se à curadora e aos artistas na Praça do Peixe até essa data. Estaremos lá das 14h00 às 18h00, todos os dias. Lá vos esperamos!

Calendário

Eventos

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

Outros sites

Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes Ano Europeu do Património Cultural