Até ao final de julho, continuam os trabalhos arqueológicos na Villa Cardilio. Esta campanha insere-se no protocolo de investigação estabelecido entre o Município de Torres Novas e a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, através da UNIARQ. Participam nesta fase do projeto estudantes da FLUL e voluntários locais, sob a coordenação científica do arqueólogo Victor Filipe.
(Campanha Villa Cardilio 2022/semana 3)

 
O Orfeão Torrejano, do padre Maya dos Santos, surgia em Torres Novas em 1923/24 sob orientação daquele que viria a ser conhecido localmente pelas suas crónicas no Almonda – plenas de ironia e crítica social e política –, mas também enquanto músico. A primeira fase da existência deste agrupamento musical duraria até 1931, para renascer em 1946, com a enorme força e pujança das suas mais de 100 vozes masculinas. O fim do grupo chegaria uns anos depois, por doença do fundador, em 1955.

 
Objeto de higiene pessoal, o lenço tabaqueiro era usado ao pescoço, à cinta, ou no bolo, para limpar o suor do rosto. Surgindo em várias cores e diversos padrões, a versão vermelha, com moldura às riscas brancas e pretas, popularizou-se entre os homens que trabalhavam no campo.
Este lenço de algodão fino passou a ser conhecido como lenço tabaqueiro, por ser associado à época em que o consumo de tabaco, aspirado e não fumado, aumentou a frequência de limpar o nariz entre os seus consumidores.
A primeira fábrica de lenços, cambraias e fazendas brancas, na Alcobaça do século XVII, que produzia este lenço, emprestou-lhe ainda designação de “o alcobaça”.
Este objeto que nos leva até às memórias do trabalho nas quintas e fazendas do concelho de Torres Novas do início do século XX, faz parte do acervo do nosso museu (nº de inventário 558).

 
Em 1885, começou a funcionar, no Palácio do Conde de Torres Novas, a Escola de Desenho Industrial Vitorino Damásio. O currículo educativo assentava nas seguintes ofertas:
Ensino elementar
- Preparatório: desenho à vista e contorno dos objectos;
- Complementar: desenho linear à vista, ornatos, figuras geométricas (sombreados e cores).

 
 
Guerras e soldados
Ontem, dia 9 de julho, assinalou-se o Dia Mundial pelo Desarmamento. Se a Paz é um dos maiores bens da humanidade, é também uma espécie de quimera para todos aqueles que se veem envolvidos em guerras, ou seja, uma parte significativa da população mundial.
Olhando para o passado e para temas locais, recordamos que, na nossa história recente, dois conflitos de considerável dimensão deixaram marcas indeléveis na memória das gentes: a Primeira Guerra Mundial e a Guerra Colonial. Em ambas, centenas de jovens foram recrutados para combater longe da sua terra. Não sabemos ao certo o número de combatentes torrejanos na Grande Guerra (1914-1918), mas foram seguramente mais de 350 (sendo este o número aproximado dos registos conhecidos), dos quais mais de 20 perderam a vida no conflito. Nesta altura, a taxa de analfabetismo no concelho rondava os 75%, pelo que a propaganda de guerra dificilmente lhes chegaria através dos jornais, onde poderiam, se soubessem ler, ter acesso a frases como: «Odeia o inimigo», «Defende a tua pátria», «Despreza os boateiros», «Vigia os espiões»; ou ler artigos contra os «germanófilos» e incentivando o ódio contra os alemães. Era a igreja, através da homilia, o grande “noticiário” dos acontecimentos “relevantes” para todas estas pessoas que não sabiam ler nem escrever.

Calendário

Eventos

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.

Outros sites

Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes Ano Europeu do Património Cultural