Musealização da Central Hidroelétrica do Caldeirão – Torres Novas //

Recolha de memórias e testemunhos dos trabalhadores
Continuamos a apresentar os testemunhos dos trabalhadores e operários da Central Hidroelétrica do Caldeirão. Neste processo de recolha, contámos com o testemunho do Sr. Vítor Pereira Nobre
«Sou natural do lugar de Casais das Hortas (Carreiro da Areia, concelho de Torres Novas), onde nasci em 1960. Poucos anos depois, com 5 anos, vim residir para a cidade com os meus pais, onde fiz o ensino primário e preparatório. Depois, ainda muito jovem, com apenas 14 anos, fui admitido na Central, e entrei para o Caldeirão a 1/7/74, como aprendiz auxiliar onde desenvolvi toda a minha atividade profissional, até chegar a eletricista oficial. Recordar a Central do Caldeirão, para mim, é recordar uma vivência de vida, uma aprendizagem, mas não é uma saudade.

Não é uma saudade porquê? Nós fazíamos tudo… por exemplo, entrávamos numa aldeia para realizar a eletrificação e era uma festa! Era uma festa! Naquelas terras as pessoas ambicionavam e desejavam a nossa chegada. Sentíamos que levávamos o progresso e a melhoria de vida às populações! Só que, desde a abertura das covas, ao arvorar dos postes e passagem de cabos era tudo feito à custa de força física e não tínhamos qualquer apoio mecânico. Era uma vida muito difícil e que não deixou saudades…. Das minhas primeiras memórias na central lembro-me do primeiro dia de trabalho que foi dar assistência ao Hospital de Torres Novas. Mais tarde, fui também dar assistência à Renova. Devíamos ser, nesta época, uns 30 homens, entre eletricistas e aprendizes divididos por 4 equipas – zona da cidade, e que incluía Parceiros de Igreja e Parceiros de S. João; zona de Vale da Serra e Pedrógão; zona de Riachos e outra equipa móvel de instalação e construção. Em termos do funcionamento da empresa, quando entrei, tínhamos várias áreas: a produção, o transporte e a distribuição da energia, a instalação e a construção, e ainda a vertente comercial de loja com a venda de eletrodomésticos, na qual também dávamos assistência e manutenção. Recebíamos uma linha de energia da Hidroelétrica de Alto Alentejo e era também sobre essa linha que fazíamos a transformação e a distribuição. Neste caso, era uma linha de 30 kW, que distribuíamos a 15 kW e que chegava às residências particulares a 220v. A nível da parte da produção, lembro-me que tínhamos 2 turbinas (a pequena produzia na ordem dos 50kva e a maior 100kva) mas claro a produção era muito insuficiente, não dava para alimentar a cidade, mas sempre produzia alguma coisa. Esses mecanismos eram alimentados pelo caudal do rio Almonda a partir de um canal submerso, cuja entrada de água é no Açude Real até chegar à central. Naquela época (anos 1970) o rio Almonda tinha muita força de água. Hoje o caudal não tem a quantidade de água necessária para colocar o grupo hídrico a trabalhar e a abertura de uma comporta esgotaria rapidamente o rio a tentar alimentar as turbinas. Apesar de não ter sido operador na sala das máquinas, dei muito apoio na ajuda à limpeza das grades e dos mecanismos para fazer a remoção de pedaços de madeira e outros detritos que não podiam entrar nas pás das turbinas. Passei muitas horas a dar assistência à limpeza e manutenção. Por exemplo, com as cheias, e recordo-me que houve uma grande cheia, em 1979, na qual as máquinas ficaram submersas. Deixou-se a marca de cerca de 1,50m no pilar. Em termos do nosso dia-a-dia, tínhamos de estar na parte de trás da central, para começar a trabalhar às 8h00. Quem chegasse às 8h05m podia já não ir, pois certos encarregados levavam o horário com muita rigidez para impor responsabilidade. Mas havia uma boa camaradagem entre todos. Recordo-me de ouvir que mesmo antes de 1974 já havia festas do 1º maio com almoço oferecido pelo patrão. Depois do 25 de abril a comissão de trabalhadores decidiu serem os trabalhadores a organizar. Todos eramos sindicalizados e com carteira profissional e eu sempre entendi essas organizações como de ajuda aos trabalhadores. Ainda mais naquela época, sem qualquer apoio técnico e sem comunicações. Se por hipótese, tivéssemos uma avaria na linha de Valhelhas, dizíamos por exemplo ao Sr. Miguel Gaspar: “- Oh Miguel você às 10h00 ligue a linha!” E depois andávamos a trabalhar sobre a linha até encontrar a avaria. Fazer este museu é muito importante. É um marco histórico para o desenvolvimento de Torres Novas. É maravilhoso olhar para todo o edifício, o enquadramento da Tarambola e todo o projeto de recuperação (…).»
Vítor Pereira Nobre. Eletricista da Central.
Torres Novas, 61 anos

Calendário

Eventos

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.

Outros sites

Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes Ano Europeu do Património Cultural